Seguro de vida cobre doenças graves e diagnóstico de câncer

Bernardo Castello, diretor da Bradesco Vida e Previdência, explica como utilizar o seguro para auxiliar no custeio aos tratamentos


São Paulo, 14 de fevereiro de 2022 – O tratamento da doença grave de um ente querido pode ter custos altos tanto emocionais quanto financeiros. A incidência da pandemia evidenciou ainda mais a importância de se estabelecer uma cultura de proteção, levando muitos brasileiros a reavaliarem suas necessidades. Nesse cenário, Bernardo Castello, diretor da Bradesco Vida e Previdência, destaca que o Seguro de Vida pode ser uma alternativa para auxiliar no custeio do tratamento de uma doença grave, evitando impactos financeiros sobre a estrutura familiar.

“Não se trata apenas de reembolso de despesas ou adiantamento do capital de morte, mas sim de uma indenização que o segurado recebe em vida. Essa proteção traz conforto financeiro, ao agregar valor e estabilidade individualmente e no âmbito familiar, podendo até mesmo ajudar a salvar ou prolongar uma vida”, destaca Bernardo Castello.

De acordo com Instituto Nacional de Câncer (INCA), a projeção para cada ano do triênio 2020-2022 é de que ocorrerão 625 mil novos casos de câncer. O Seguro de Vida cobre as principais doenças de maior incidência sobre a população brasileira. No público feminino, as maiores ocorrências estimadas da doença são de Câncer de Mama (29,7%), Cólon e Reto (9,2%), Colo do Útero (7,5%), Traqueia, Brônquio e Pulmão (5,6%) e Glândula Tireoide (5,4%). No grupo dos homens, Câncer de Próstata (29,2); Cólon e Reto (9,1%); Traqueia, Brônquio e Pulmão (7,9%); Estômago (5,9%) e Cavidade Oral (5,0%).

Benefícios da cobertura

Com os recentes avanços da medicina em casos de diagnóstico precoce, a cobertura contratada pode auxiliar este tratamento, ao prover indenização capaz de custear as despesas envolvidas.

“Dependendo da cobertura, o segurado conta com diversos serviços de assistência, além de apoio nas despesas, deslocamento para o tratamento em outra cidade e até mesmo hospedagem no caso de pacientes em estado grave”, esclarece o diretor da Bradesco Vida e Previdência.

Bernardo Castello alerta que os trabalhadores autônomos, informais e prestadores de serviços também devem se planejar para incluir o seguro de vida no planejamento familiar. “Todos nós estamos sujeitos a imprevistos, e é nesses momentos que geralmente nos damos conta da necessidade de termos uma rede de segurança que possa amparar e dar tranquilidade a nós mesmos e a nossos familiares”, reforça.

Relação de custo-benefício

Na Bradesco Vida e Previdência, por exemplo, a partir de R$ 7,30 por mês, um jovem de 18 anos tem a opção de adquirir uma cobertura para doenças graves de até R$ 50 mil. “Uma relação de custo-benefício extremamente pertinente, especialmente tendo em vista que estamos falando da proteção do nosso bem mais valioso, que é a vida”, avalia o diretor.

Como receber a indenização?

Após o diagnóstico constatado da doença, o segurado deve realizar o aviso de sinistro. É importante verificar se a cobertura está prevista em contrato e se já transcorreu o período de carência. Feita essa confirmação, é dado início ao processo de regulação do sinistro. “Normalmente, o capital segurado é pago em até 30 dias após o diagnóstico, para que o segurado receba, em vida, o valor da cobertura”, conclui Bernardo Castello.

SOBRE A BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA

A Bradesco Vida e Previdência, empresa do Grupo Bradesco Seguros, atua há mais de quatro décadas no país, protegendo cerca de 35 milhões de pessoas, entre participantes de planos de Previdência e VGBL e segurados de Vida e Acidentes Pessoais. Com uma Carteira de Investimentos em Previdência de R$ 248 bilhões (Dez/2021), a empresa conta com opções de planos de previdência em renda fixa, renda variável e multimercados, contemplando diversas classes de ativos e perfis de clientes. No segmento de Seguro de Vida e Acidentes Pessoais, do qual é líder de mercado, oferece uma ampla gama de produtos com coberturas para diversas situações, incluindo doenças graves e perda de renda por desemprego involuntário, além de assistências personalizadas.

0 comentário